Economia Brasileira: Petróleo, desenvolvimento e maldição

 

Economia Brasileira: Petróleo, desenvolvimento e maldição

 

Este artigo é patrocinado pela Plataforma Brasil, uma butique especializada em projetos de investimentos e estruturações estratégicas.

 

Por: Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial

Caros leitores, antes de tudo recomendo que não sofram por antecipação. Este título forte, não será refletido aqui em mais uma ladainha em prol das questões ambientais, propalando nas próximas linhas o cansativo senso comum, tentando convencê-lo a abandonar o conforto do seu carro e aderir a uma bicicleta, ou quem sabe um par de patins (Você sabe, patins usam rodas menores, e portanto dependem de menos borracha...) bem, eu sei, ninguém aguenta mais isso.

Mas por favor ambientalistas, peço que não me joguem pedras (e nem percam o senso de humor), e antes de me condenarem a fogueira no tribunal da inquisição politicamente correta, saibam que não milito contra a militância ambiental, e muito pelo contrário, a considero, quando moderada, inteligente e portanto provida de senso crítico e de realidade, necessária.

Este texto não fará a apologia (e nem tão pouco atacará) das energias limpas e renováveis, mas abordará a temática da acomodação.

Sim, ela mesmo, sempre fruto da reação atávica do ser humano e portanto de suas sociedades, quando adversidades e complicações cedem lugar ao apogeu, ao remanso, ás certezas da prosperidade.

Observamos legiões defendendo a substituição da energia fóssil pelas fontes renováveis, mas pouco se aborda sobre as consequências que um excedente em reservas petrolíferas podem trazer a um país extrativista por natureza, desprovido de incentivos e repleto de obstáculos aos processos do desenvolvimento tecnológico sensível e de inovação.

Aos nacionalistas do pré sal e aos saudosistas da campanha do “O petróleo é nosso” solicito que compreendam o contexto deste enfoque crítico, que não lamenta a existência de nossas gigantescas reservas e nem tão pouco é insensível ao componente estratégico que representam. Sob esta ótica objetiva, um oceano de vantagens e benefícios, inquestionavelmente.

Mas o fato é que com tantas certezas, uma insensibilidade pode ganhar força, e ela está diretamente relacionada a tudo o que temos a fazer pela frente para nos tornarmos uma nação verdadeiramente moderna, admirável, respeitada, economicamente sustentável e competitiva.

As certezas de nossa força petrolífera, sem a devida calibragem em termos de senso autocrítico, podem nos levar de encontro ao encadeamento do atraso, respectivamente: Imensas certezas econômicas, insensibilidade aos riscos e enfraquecimento dos estímulos científicos intelectuais, dependência extrativista, tolerância e baixa consciência tributária, baixa competitividade, fragilidade econômica, contenção de oportunidades de desenvolvimento social, subdesenvolvimento político, baixa capacitação, miséria.

Eu gostaria de encerra este texto com um “quem viver verá”, mas lamentavelmente tenho que encerrar com: estamos vivendo e vendo.

 

Até o próximo!

A Plataforma Brasil Editorial atua como uma agência independente na produção de conteúdo e informação

 

 

 

 

Copyright © 2017 - Revista Franquia